Thursday, 23 de May de 2019

SAÚDE


Saúde

DPE-TO e MPE-TO conseguem na Justiça disponibilização imediata de leitos no Hospital Dona Regina

05 Apr 2019    23:41
Divulgação DPE-TO e MPE-TO conseguem na Justiça disponibilização imediata de leitos no Hospital Dona Regina

A Justiça do Tocantins acatou nesta sexta-feira, 05, mais um pedido da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) e do Ministério Público do Estado do Tocantins (MPE-TO) para que o governo do Estado preste, imediatamente, a disponibilização de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Neonatal, UTI Pediátrica, Unidade de Cuidado Intensivo (UCI) e Unidade Intermediária (UI) Neonatal, bem como cirurgias pediátricas, em caráter de urgência, como forma de evitar óbitos dos pacientes.

A falta de leitos e estrutura no Hospital Maternidade Dona Regina (HDMR), em Palmas, tem gerado uma série de problemas aos pacientes e é alvo de diversas judicializações da DPE-TO em atuação conjunta com o MPE.

A petição foi assinada pelo defensor público Arthur Luiz Pádua Marques, coordenador do Núcleo Especializado em Defesa da Saúde (Nusa) da DPE, e pelas promotoras de justiça Maria Roseli Pery e Céres Gonzaga.

A demanda foi proposta após vistoria realizada no HMDR nesta sexta-feira, 5, quando foi identificado que diversos pacientes estão internados no referido Hospital em situação de extrema fragilidade, alocados no setor cirúrgico, em incubadoras. A petição inclui a imediata concessão de leitos a dez pacientes relatados na petição e ainda outro bebê para cirurgia pediátrica.

A DPE-TO e o MPE pediram que o deferimento da medida ocorra antes mesmo da manifestação do Núcleo de Apoio da Secretaria Estadual da Saúde, considerando a urgência da medida e de que o órgão demanda mais de 24 horas para ser notificado e se manifestar. As instituições relatam, ainda, na petição que, caso seja necessário a transferência dos pacientes para outro Estado ou Município, que seja feita a inclusão no Programa de Transferência fora de Domicílio (TFD) no prazo máximo de 24 horas, inclusive com os custos dos acompanhantes.

Conforme dados repassados nesta sexta-feira, 5, pela Direção do HMDR, existem 16 bebês recém-nascidos aguardando vagas em UTI neonatal ou UCVI, e outros cinco à espera de cirurgias. 

 

Vistoria

Conforme o relatório da vistoria, não há sala cirúrgica e nem leito de UTI de retaguarda para os futuros nascidos, o centro cirúrgico que está sendo utilizado não te estrutura adequada, os profissionais disponíveis não estão capacitados para prestar o devido atendimento aos pacientes que necessitam de cuidados especiais e não há assistência de fisioterapia.

 

“Não é preciso ser especialista para compreender que bebês recém-nascidos, prematuros, desnutridos, com baixo peso, necessitando de vários cuidados, com prescrição de UTI neonatal, de cirurgia, de cuidados intensivos e estando fora do atendimento prescritos correm sérios riscos de agravamento do quadro clínico, podem sofrer sequelas, inclusive neurológicas, além é claro do risco de morte”, consta no relatório da vistoria.

 

Entenda o caso

Ainda no mês de março, a DPE-TO realizou vistoria no Hospital Dona Regina e identificou superlotação e falta de leitos para atender a demanda. Além disso, foi identificado que partos e cirurgias estavam suspensos na maioria dos casos, sendo que esses procedimentos estavam sendo autorizados apenas para procedimentos de emergência.

 

Nesse cenário, a DPE-TO e o MPE deram entrada em uma Ação Civil Pública (ACP) com pedido de providências. A Ação foi deferida pela Justiça no último dia 15 para que o Hospital regularizasse os problemas, no prazo de 24 horas.

 

O Hospital Maternidade Dona Regina possui, atualmente, cinco salas cirúrgicas, das quais apenas três estão em funcionamento, sendo que uma é utilizada para realização de cirurgia de emergência. As outras duas são utilizadas para internação de bebês sem leitos adequados, que deveriam estar nas UTIs, UCIs ou UIs. Na única sala de cirurgia, há um bebê prematuro, sem os cuidados adequados, sem incubadora, dividindo a sala com outros pacientes sendo operados. A Unidade Intermediária conta atualmente com 21 pacientes, um deles está acamado em um berço, em virtude da falta de incubadora, fora do padrão de prescrição médica.

COMPARTILHE:


Confira também:


Setor Aéreo

Senado aprova MP com 100% de capital estrangeiro ao setor aéreo brasileiro

Primeira companhia internacional a se estabelecer no país, a Air Europa também foi autorizada nesta quarta-feira (22) a operar no Brasil

CPI do PreviPalmas

Max Fleury é ouvido na CPI do PreviPalmas

O ex-presidente do PreviPalmas estava no comando quando o instituto fez um investimento na ordem de R$ 30 milhões no Cais Mauá, como também, aplicou R$ 20 milhões no Fundo Tercon.


Fenelon Barbosa

Primeiro prefeito acredita que Palmas será uma das maiores e melhores cidades do Brasil

Ex-prefeito de Palmas conta a história da luta pela criação e construção da mais nova capital do país


Homenageados

Carlesse e vice-governador Wanderlei Barbosa são homenageados em sessão pelos 30 anos de Palmas

Ao todo 41 personalidades receberam a honraria, dentre elas, o ex-governador Siqueira Campos, fundador da Capital e todos os ex-prefeitos da cidade


Taguatinga

Polícia Civil prende suspeito de estupro de vulnerável no sudeste do Estado


Mandado de prisão

Condenado por roubo é preso pela Polícia Civil em Palmas


Palmas 30 anos

Em entrevista exclusiva, Siqueira Campos diz que Palmas integrou e fortaleceu a economia do Tocantins


Norte do TO

BRK Ambiental leva teatro sobre preservação para mais de 30 escolas do Bico do Papagaio


FORJEF

I Fórum Interinstitucional dos Juizados Especiais Federais do Tocantins termina com balanço positivo


Competição

Rally Jalapão/Sertões Series terá representantes baianos nos mais de 1200 quilômetros da 5ª edição



  Blogs & Colunas



Entre nós

Virgínia Gama


Arquitetura & Design

Riquinelson Luz


Vida Plena

Valquiria Moreira


As Tocantinas

Célio Pedreira